13 de agosto de 2012

» por em Bastidores, Iniciante

Intuição, improvisação e uma canga em Tie-Dye


Em uma dessas tardes de sábado, eu e minha namorada resolvemos trabalhar no que seria uma futura canga de praia pra ela. Tinhamos uma ideia na cabeça, mas o objetivo era deixar fluir a criatividade, a intuição e o prazer de ser surpreendido com algo que não fazíamos ideia de como ia sair. Alguns dias depois, ela escreveu e compartilhou um texto sobre essas experiência. Gostei tanto do que li que resolvi compartilhar aqui também, para mostrar a vocês um pouco da essência do tie-dye, que é a liberdade e a improvisação, que nos presenteiam com boas doses de surpresa.

Tie-Dye – Canga intuitiva

Por Camilla Veras

Já falei aqui que sou uma namorada babona, pois então, eu e meu amor (depois de muita insistência minha) pegamos um pedaço de pano – algodão cambraia (150 cm x 130 cm) – e fizemos uma pintura intuitiva que tinha tudo para ser uma cagada sem fim, mas ficou muito bonita e psicodélica.


Usamos a amarração mais simples de todas, a circular, e fizemos um grande círculo no centro e nas pontas círculos pequenos. Para fazer tie dye de forma circular escolha um ponto do tecido e faça amarrações – utilizamos barbante – (observe a imagem ao lado). Os nós precisam ser bem firmes para marcar bem o tecido, pois os nós frágeis perdem definição. Quanto a tinta, usamos os corantes reativos comercializados através da Loja do Mundo Tie Dye, já que a fixação é muito melhor do que as tintas comuns.

Bom, utilizamos muitas cores no processo: magenta, dois tipos de amarelo, lilás, roxo, azul, e fomos pintando intuitivamente. Aconteceram algumas manchas indesejadas durante o tingimento, misturamos cores que imaginávamos que ficariam bizarras, mas como todo tie dye que se preze, o resultado é sempre surpreendente e de fato a minha canga ficou sensacional. A foto não tá muito bem feita, mas a emoção de vê-la pronta não me faz esperar por uma luz ideal, então, ai vai o resultado da  nossa experiência:

tá linda ou não tá?

Originalmente postado no Blog “Telhado Colorido“, por Camilla Veras

Leave a Reply